Medidas Seletivas

O nível 2, MEDIDAS SELETIVAS, inclui práticas ou serviços dirigidos a alunos/as em situação de risco acrescido de insucesso escolar ou que evidenciam necessidades de suporte complementar, em função da resposta às intervenções de nível 1. Estas medidas podem consubstanciar-se, por exemplo, em intervenções implementadas em pequenos grupos e tendencialmente de curta duração. Neste nível estão incluídas as «Adaptações curriculares não significativas» – as medidas de gestão curricular que não comprometem as aprendizagens previstas nos documentos curriculares, podendo incluir adaptações ao nível dos objetivos e dos conteúdos, através da alteração na sua priorização ou sequenciação, ou na introdução de objetivos específicos de nível intermédio que permitam atingir os objetivos globais e as aprendizagens essenciais, de modo a desenvolver as competências previstas no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória.

  • a) Os percursos curriculares diferenciados
  • b) As adaptações curriculares não significativas
  • c) O apoio psicopedagógico
  • d) A antecipação e o reforço das aprendizagens
  • e) O apoio tutorial
IdentificaçãoA identificação é feita aos órgãos de administração e gestão da escola (entregar à adjunta da Direção Conceição Pereira) por iniciativa dos pais ou encarregadas/os de educação, dos serviços de intervenção precoce, das/os docentes ou de outros técnicos ou serviços que intervêm com a criança ou aluna/o. A identificação é feita  através  do  documento EI 1 – IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DE MEDIDAS DE SUPORTE À APRENDIZAGEM E À INCLUSÃO
Quem decide a implementação das medidas seletivasEMAEI (elementos permanentes + elementos variáveis) reúne e analisa a identificação
Quem define a sua operacionalizaçãoDT/docente titular + Conselho de Turma + docente de Educação Especial
Onde ficam registadasEI 3 – RELATÓRIO TÉCNICO PEDAGÓGICO – a guardar no processo da/o aluna/o e a registar em ata quais as medidas implementadas
Quem elabora o registoEMAEI (elementos permanentes + elementos variáveis)

 Adaptações ao processo de avaliação (Art.º 28.º)

a) A diversificação dos instrumentos de recolha de informação, tais como, inquéritos, entrevistas, registos vídeo ou áudio

 b) Os enunciados em formatos acessíveis, nomeadamente braille, tabelas e mapas em relevo, daisy, digital

 c) A interpretação em LGP

 d) A utilização de produtos de apoio

 e) O tempo suplementar para realização da prova

 f) A transcrição das respostas

 g) A leitura de enunciados

 h) A utilização de sala separada

 i) As pausas vigiadas  j) O código de identificação de cores nos enunciados